Archive for the ‘eu’ Category

A Sanidade

.

“…quando não temos a flexibilidade necessária para nos rirmos da vida, é a morte que acaba por se rir de nós.”

Em muito boa hora esse texto do João Pereira Coutinho, na Folha.

pra quem não tem paciência de ler tudo ou não sofre de “pensamentos desarranjados” , os “vômitos do cérebro”, coloco aqui, antes do texto, o resumo/trechos, a parte que me é mais útil :)

– A palavra mais importante na gramática da sanidade: Flexibilidade. Diz Philippa Perry, no livro “How to Stay Sane”, citado por Coutinho. E ele destrincha facilmente:

“…olhar para os nossos princípios com uma boa dose de ceticismo e ironia. Não nos levarmos demasiado a sério. E, sobretudo, não levar a vida – frágil, fugaz e nem sempre rósea – demasiado a sério”

Pra trilha sonora, eu ia colocar aqui a música PDA, do Interpol, que tava tocando no Random do iTunes enquanto eu lia o texto e me parecia bem adequada. Mas agora está tocando, por incrível que pareça, Alladin Sane, do David Bowie. Vai entender como essas coisas acontecem…

 

E não me sai da cabeça o episódio 9 do seriado The Big Bang Theory (S01E09), que assisti ontem na madrugada…. e que me peguei identificado com um pedaço em cada um dos personagens. Consegui ficar deprê chorando assistindo a uma comédia. Mas o resumo é esse mesmo… conseguir rir da desgraça própria, como a maioria faz com a alheia. E é por isso que deve ter surgido a Comédia, na Grécia.

 

“Apologia da Flexibilidade (João Pereira Coutinho)

É sem dúvidas uma lamentável tragédia: Jacintha Saldanha era enfermeira em um hospital de Londres. Recebeu uma ligação de dois radialistas australianos que se fizeram passar pela rainha Elizabeth 2ª e seu filho, o príncipe Charles.

A intenção dos radialistas era obter informações sobre a gravidez de Kate Middleton. Jacintha acreditou na pegadinha, passou a ligação a uma colega do hospital. Que revelou o estado de saúde da duquesa com pormenores.

Ninguém sabe o que se passou nas horas seguintes. Exceto que Jacintha Saldanha lidou mal com a brincadeira e apareceu morta. A polícia suspeita de suicídio.

Existem duas formas de olhar para o caso. A primeira é seguir o coro dos indignados, denunciar a cultura pop pela sua vulgaridade mendaz e até pedir a cabeça dos dois radialistas.

Mas existe uma segunda forma de olhar para o mesmo caso. De preferência, lendo um pequeno grande livro que até a circunspecta revista “The Economist” elegeu como um dos melhores do ano.

Foi escrito pela psicanalista Philippa Perry e o título diz tudo: “How to Stay Sane” (como se manter são, Macmillan, 160 págs.).

Primeiras conclusões: a “sanidade” não pode ser confundida com noções pedestres de “felicidade individual”, vendidas por analfabetos infelizes em manuais de autoajuda.

Muito menos se confunde com variações mais modestas de “normalidade”: a pretensão de definir o que é a “normalidade” não passa de um sintoma de anormalidade.

Para Philippa Perry, que escreve o ensaio com um pé na neurologia, outro na psicanálise, sem esquecer os ensinamentos imperecíveis dos Clássicos, “sanidade” pressupõe equilíbrio entre a rigidez dos nossos princípios e o caos da vida como ela é.

Ou, em linguagem platônica, “sanidade” é saber usar a razão para que nenhum dos dois cavalos que puxam a quadriga da alma -o cavalo do Espírito e o cavalo do Apetite- possam tomar, por si só, as rédeas da marcha.

Claro que os genes e a constituição orgânica do indivíduo têm uma importância decisiva nesse grau de sanidade.

A esse respeito, relembro um texto lido há uns anos, num tratado sobre a história da loucura, e escrito por um médico do hospício inglês de Bedlam em 1816 que nunca mais esqueci. Cito de cor: os pensamentos desarranjados, escrevia o doutor William Lawrence, têm a mesma relação para o cérebro que os vômitos para o estômago, a asma para os pulmões e qualquer outra maleita para o seu órgão correspondente.

Quando li essa passagem, sublinhei-a com um ponto de exclamação. Ou talvez com um ponto de lamentação: quantas vidas não teriam sido poupadas à culpabilização, à vergonha e ao sofrimento se as neurociências, pateticamente entretidas a aplicar “mitos gregos às partes íntimas” (obrigado, Nabokov), tivessem olhado mais cedo para o seu órgão correspondente?

Divago. Ou talvez não: porque se os genes têm importância para certas maleitas, não terão para todas.

E, por vezes, somos nós, seres racionais, que devemos procurar a palavra mais importante na gramática da sanidade. “Flexibilidade”, escreve Philippa Perry.

Que o mesmo é dizer: olhar para os nossos princípios com uma boa dose de ceticismo e ironia. Não nos levarmos demasiado a sério. E, sobretudo, não levar a vida -frágil, fugaz e nem sempre rósea- demasiado a sério.

Na triste história de Jacintha Saldanha, é fácil criminalizar os dois radialistas. É fácil criminalizar uma brincadeira. É fácil acreditar que, sem uma pegadinha daquelas, a vida de Jacintha continuaria harmoniosa e feliz.

Duvido. Muito. E a única coisa que lamento é não ter existido ninguém -um colega de hospital, um amigo, um familiar, até um doente – que não tenha conferido a uma mera brincadeira a sua real dimensão.

E que, mesmo respeitando os princípios de verdade e honradez que faziam parte do código da enfermeira, não a tenha levado a rir de uma simples pegadinha. Porque nenhuma pegadinha daquelas justifica um suicídio.

No fundo, talvez seja essa a única moral da história: quando não temos a flexibilidade necessária para nos rirmos da vida, é a morte que acaba por se rir de nós.”

e assim começa a Roda de Rock…

.

Rock? Samba? Metal? Bossa? hein?!

No Pain, No Gain!

dois dias inteiros de gravação para lançar (em muito breve) o divisor de águas do Huaska!

e eu pagando de paga-pau, claro!, no estúdio do Adair Daufembach. :) tá ridículo, eu sei….

mas porra, 3 dos amps mais fodas, que deixaria qq guitarrista do mundo tranquilo. De cima pra baixo:

– Marshall JCM900

– Mesa Dual Rectifier

– Peavey 5150 II

As caixas usadas pra empurrar também muito fraquinhas: Marshall 1960A e Marshall 1960 Dave Mustaine Signature.

Ou seja, vem porrada por ae!

 e aqui o xarope gravando… ou tentando fazer a palhetada perfeita…

iuaheuieaiuhea

tocando numa Gibson King V de um camarada que eu ainda preciso agradecer pessoalmente, pq tirou um puta som.

foda foi precisar tocar sentado com essa porra… eu prefiro tocar de pé… e essa guita é péssima pra apoiar na perna… to com a coxa doendo até agora..

iuaheuieha

e ainda por cima usar outra afinação e tb tocar com uma intensidade que nunca toquei…

eu nunca tinha tocado em uma gibson ou outra guita com esse tipo de ponte… deu pra cansar… mas deu certo!

:)

e como não bastasse mandar peso, aqui vem a prova de que o som do Huaska mandou chamar o samba:

guitarrista do barulho, na tela, tocando tamborim até estourar o couro!

:)

Se esperar um pouquinho, vc vai ouvir a malandragem que saiu dessa gravação!

ahhhhh, e gravação tinha que ser no dia…. Dia do Rock!!!

ou como diria o Gabriel Thomaz: RRRRRRRRRRRRRRRRRRRock!

33

.

33 anos hoje.

É fato que vão falar, nessa ocasião: idade de Cristo

Essa é uma curiosidade muito grande que eu tenho. Ele sempre tem a mesma idade pras pessoas… como se ele sempre tivesse 33, uma vez que morreu com 33.

Então se trata de “Idade de Cristo Quando Morreu”, oras… meio mórbido, não?

quando vc faz 24 anos, ninguém fala: Idade de Noel Rosa (quando morreu!)

Ninguem se pergunta o que Cristo fez com 32, 31, 30 anos…  muito estranho…

Turbante e Revolução Árabe!

bom…  pra comemorar meu aniversário-da-idade-de-cristo-quando-morreu, nada mais justo que uma foto tirada hoje em homenagem ao povo de onde muita coisa comecou (pelo menos parte dessa cultura semi-ocidental) e que está botando pra quebrar!

não me refiro aos cristãos… mas ao povo situado entre Africa/Asia/Europa, que nunca se soube exatamente como chamar…

muitos resumem: povos árabes. povos do deserto, nomades, islamicos/muçulmanos (apesar de que religião não resume povo)…

importante lembrar que em algum momento da história da humanidade houve um povo que deu origem aos árabes e judeus, cristãos… e ainda se le muito sobre isso, quer seja nessas igrejinhas, como a Universal ou outra religiao ocidental qualquer… histórias bíblicas são tb em parte histórias árabes, pq não?

de qualquer maneira, o importante é que o povo árabe como um todo é muito mais discriminado hoje, pelo mundo ocidental, do que os judeus, entre outros.

Se é assim, mas que porra que estamos fazendo?!

Somos os carrascos em vez de vítimas! (olha eu incluindo o Brasil no primeiro mundo… hahaha)

Democracia Árabe

Destruímos milenios de cultura. Forçamos que fossem divididos e depois reorganizados em países e fronteiras. Ajudamos a colocar imperadores/ditadores que faturam a custa de transformar o povo em subescravos pacíficos, em povo seco, sem condições reagir. Enquanto isso, sugamos a maior riqueza que eles possuem, o quase-infinito petróleo, por baixo do deserto que nada nasce.

São ricos e pobres ao mesmo tempo. resumo: explorados. moral do resumo: por nós.

Esse povo, gentil, hospitaleiro, honesto, inteligente, tratado como se fosse outra espécie de macaco, inferior. Aliás, os Eco-bobos de hoje em dia JAMAIS permitiriam que um outro macaco fosse tratado como os povos árabes.

Greenpeace o meu ovo! Tem milhares de “macacos como eu” morrendo de fome, sendo massacrados no oriente!


Se voce se colocar nesse contexto, de exploração de seus ancestrais por mais de século, talvez voce fosse um Che Guevara árabe, não? Talvez se voce visse um guarda estuprando uma irmã e houvesse impunidade eterna e sistematicamente para coisas assim, talvez resolvesse explodir o mundo, não?

mesmo porque, ficar na floresta atirando escondido no exercito de uma ditadura é bonito, né? Agora, ser invadido por uma potência para garantir que um ditador fique controlando a pobreza, fingindo que se não for firme a Al Qaeda assume, pro barril de petróleo nao passar de U$100 e reagir a isso, é feio. Sei.

Não faço nenhuma apologia à morte ou violência.

E por isso fico muito feliz com essa Revolução Árabe pró-democracia (ou contra a opressão).  Espero que contagie todo o mundo islamico, chinês e demais.

Ver isso acontecer vai ser o melhor presente do meu 1/3 de século de vida! :)

Viva la Rev!

Hasta la victoria siempre!

Eu e Turbante:

Caso alguém tenha a curiosidade, na foto é um legítimo turbante oriental, comprado pela net. Acho que vem do afeganistão ou algo parecido. Foi comprado na loja americana (aparente contradição) especializada em artigos arabes/islamicos Zarinas e entregue em casa.  Antes eu tinha feito um turbante eu mesmo, comprando uns metros de tecido, cortando e costurando, como (mal) da pra ver no ultimo clipe do Huaska, feito antes do ínicio das revoluções árabes pró-democracia (eu farejo tendencias! rs) :

italia!!!

.

escrevo de Roma… chique pra cacetti!

tomando um vinho de €1,99… :)

e to pondo aih o video que nos levou a Italia!
vejam!
e se nao gostarem, façam melhor no ano que vem e ganhem essa viagem!
ou façam um miojo pra ver se chega perto do talharine a bolonhesa que eu comi hoje por €5,00!!!

:):):)
filme ganhador do 1 lugar do concurso internacional Mofilm/Nokia Festival de Cinema de Roma:
http://www.mofilm.com/std/b85238

Bacci!
:*

Viva Roma!!!

.

aeee

eu e o garni, da Mandril Filmes, ganhamos mais um concurso em 2010!

e dessa vez não vamos visitar os políticos brasileiros…

vamos visitar os “inventores” da Democracia, tão surrada, os romanos! :)

Estamos a caminho de Roma para passar 1 semana, para receber o prêmio de primeiro lugar de melhor video do concurso Nokia, patrocinadora do Festival de Cinema de Roma!

além dos 3 dias de eventos oficiais da premiação, sessão de première, coquetel e jantares,  conseguimos esticar a passagem pra mais 4 dias. E com isso vamos conseguir encontrar o Tiagão que está na França e que vai dar uns roles com a gente! :)

:)

fazendo uma pesquisa rápida, descobri coisas importantíssimas:

1) Pasta alla Carbonara é o prato típico de Roma! Isso é algo muito sério!

2) Não menos importante, mas em segundo lugar, a pasta all’Amatriciana também é tipico de Roma!

pronto, não preciso pesquisar mais nada! :)

infelizmente não vai dar pra conhecer o Michelangelo, Julio Cesar ou Fellini…

Vamos ter que nos contentar em ver a Fontana di Trevi, o Coliseu e a Capela Cistina… talvez conhecer a Cinecittá, antigamente conhecida como “Hollywood italiana” ou “Hollywood do Tibre”, rs…  e vamos conhecer uns neo-romanos … vamos ver se são hospitaleiros…

Como diria o Asterix: “Esses romanos são todos neuróticos!”

:)

edredon: escrever merda é bom

.
descobri que escrever merda quando vc ta meio depre ou desesperado é bom…
vc finge que ta tudo bem… que a vida eh feita apenas de coisas superficiais…
e que, na verdade, os problemas que vc tem, na maioria, soh existem na sua cabeça… eh ou nao?

e pra provar isso, vou me sentir melhor falando de uma futilidade: descobri que arrumar a cama com um edredon novo é muito mais facil que arrumar com cobertas velhas. :)

pra provar (e continuar escrevendo merda) vou até postar uma foto da arrumação, que nao demorou mais que 15seg (tudo bem que nao ta igual num hotel)

outra item otimo pra deprezinha, alem de escrever merda, eh o classico: comer choco!
principalmente o ganhado da Ci! :)

Esse chocolate da “Chocolat du Jour”, alem de ter otimo nome, é uma delicia. Ela nao gostou muito, mas eu adorei… ja comi a primeira letra :)

E ja que o legal de postar coisas sem nexo, aqui vai um CD de uma banda mto legal que o Mura me mostrou outro dia:

OUVINDO: Silversun Pickups – Carnavas

Essa banda, segundo o Mura, tao comparando com Smashing Pumpkins la nos EUA…

bom, nao concordo muito… acho que eh pq tem uma mina tocando (e cantando) junto com um vocalista que canta light enquanto toca guitarra com fuzz tipo big muff

lembrei ele que o nome das duas bandas tem mesmas iniciais… alem da mesma sonoridade de pronuncia…. coincidencia, claro… talvez uma homenagem, pq nao?

mas achei legal mesmo a banda… entao:

(clique na capinha do CD para baixar)

Acetona & Cocô

.

pois eh… como escrever sobre acetona? e, mesmo, pq escrever?

também não sei. mas posso comecar o post falando merda… literalmente. Pq hoje fiz coleta de merda para exame de… ahn… fezes? :)

e o que tem acetona a ver com isso? bom, vamos devagar que a gente chega la.

tive que tirar sangue para exame e a mina me perguntou se e conseguiria cagar la mesmo, para ja me livrar do exame. eu disse que topava tentar… quando fui pegar o pote, a outra tutuca que tira sangue me disse q nao se pode fazer coleta de fezes em hospital, por questoes de contaminacao. Queria entender melhor se eh  contaminacao do hospital pela bosta, ou da amostra de coco pelo hospital… enfim, vou perguntar pra amiga Karine, que ta fazendo enfermagem no HC.

bom, fui pra casa coletar o cagalhão… antes eu ja tinha  visto que o tubinho de coleta de fezes era super pratico (esse a direita)… ja tinha um liquido dentro e uma tampinha com pazinha para a coleta. depois de pegar uma pazada de coco, vc deveria colocar dentro do tubo com liquido e chacoalhar pra deixar o liquido pronto pra entrega. simples.

isso seria facil, se vc nao estivesse falando de coleta de merda para o HC.

o pote que eles me deram era o mesmo para mijo… um potinho de plastico parecido com os que vinham os filmes para camera fotografica (alguem aih se lembra disso? potinhos super queridos por criancas pq era bom pra guardar moedas… bom, pelo menos eu gostava…:)
e tinha instrução para coletar no meu pote generico? no way. tive que perguntar, com a cara roxa de vergonha como faria a coleta.  A querida vampira que arranca sangue me indagou como se eu nunca tivesse visto: _vc tem papel aluminio em casa? pensei imediatamente que ela quisesse que eu jogasse fora o potinho e trouxesse um tarugo, ainda quente de ter saido da bunda, enrolado em papel para presente.
mas nao, ela queria que eu defecasse com gentileza em cima da porra do papel e pegasse um pouquinho pra por no potinho. _ nao precisa encher!

bom, pode parecer facil, mas nao é muito, nao. Ainda mais quando vc chega em casa pronto pra cagar, ja que estava segurando a vontade desde o hospital :)
a ideia que tive era nao colocar o papel metalico no chao, e sim em cima da tabua da privada… de forma que ficasse como se fosse uma redinha onde se senta. na hora consegui fazer um pouquinho la e tirei o papel pra por no chao e continuar a merda toda na santa paz… o problema eh que minha bunda nao estava sabendo desse movimento de cagar um pouquinho em pe, andar uns passos e voltar pra priva, minha amiga.

Nessas caiu uma bela amostra de excremento humano na tabua (é tabua de sentar que chama? mesmo sendo de plastico?? enfim…) estava la eu sentado e vendo na minha frente um teco de coco na tampa, em frente .

peguei um pedaco de papel pra limpar… mas vc sabe que merda quanto mais espalha, mais fede. entao tive a brilhante ideia de pegar algum liquido pra limpar… o que poderia ter, no meu banheiro, que higienizasse mais??? hein? perfume? credo, cheiro bom com fedor eh uma bosta. agua oxigenada? achei melhor nao, pq a bosta ia espumar toda na tampa… credo. resolvi por usar acetona, da cibelinha.

nao teve um fim tragi-comico, infelizmente, pra quem le. deu tudo certo. iuhaeiueaiu
e a tampa ficou cheirando salao de beleza.

mas terminando minha cagada lendo o frasco de acetona, me lembrei que nao se vende mais Acetona pura, pq os nóia, que nem eu, começam a comprar pra ficar cheirando, hahiuaehaha. entao eles fazem uma solução com acetona. e fui ler a composicao, claro! adoro ler bula e frascos quando cago. ou livro e revista, que eh melhor, com toda certeza do mundo.

hoje esse liquido bizarro que as mulheres usam para tirar os esmaltes se chama removedor de… dã, esmaltes. ele eh feito de alcool, acetona, oleo de ricino, agua e acetato etilico. mas a unica coisa que eu gostei eh do nome que esta no lugar de oleo de ricino (oleo feito pra tomar e cagar!) : Ricinus communis Oil

e numa digressao imbecil e inocente fiquei imaginando o cara que classificou e deu o nome cientifico a planta do ricino… fiquei imaginando que ele era comunista, pelo nome escolhido, e que ele ter dado esse nome era algo muito legal nesse mundo engessado.

(olha que maluco o nome dessa acetona: Sempre Kiss. e olha como é o rótulo… o frasco sendo usado até o infinito… o cara comeu coco com certeza, pra fazer isso!)

bom, como a historia nao tem fim, melhor eu emendar em outra… falando de comunismo, ontem fui assistir o filme “Lula, o filho do Brasil”. Fui com um pé atras… quase com vergonha de pedir um ingresso, ja que moro em sao paulo, um dos redutos mais conservadores e anti-lula do país. Apesar de que, quem rejeita o lula são uns 15% do brasil, esses 15% estao, na maioria, me cercando em SP. Coitada da minoria! rs

de qq modo, preciso falar do filme… Mas antes disso, preciso dizer que gosto muito de cinema… tanto da arte quanto do entretenimento barato (e milionario). Para filme-estritamente-arte, tenho uma maneira de avaliar. para filmes arte-entretenimento outra; e para cinemao pra galera, tenho outra.
e se eu fosse atribuir estrelas de 1 a 5, como os criticos de cinema fazem, me daria mal. pq mesmo um filme que julgo ser 2 estrelas eu posso adorar e ter uma otima felicidade assistindo. e um filme 5 estrelas que eu mesmo avaliei, pode nao ser tao legal de assistir. ou mesmo que nao deixa um aftertaste tao bom.

de qq maneira, eu gostei de “Lula, o filho do Brasil”. avaliaria ele como 3 estrelas, o mesmo que eu avalio o Avatar, que assisti anteontem. É um bom filme, as vezes meio lerdo, mas muito bacana. Se vc tentar descolar da ideia de que esse filme eh sobre o lula presidente do brasil e transportar para a India, por exemplo, cai bem. e, quer saber? se eu, roqueiro chato do caray, vi “Dois filhos de Francisco”, pq nao veria o “Lula”. Até mesmo os filmes do Che… Todos sao baseados em biografias… mas sao romanceados, claro! afinal isso é cinema entretenimento!!!
muita coisa ficou de fora, pra quem viveu de perto essa epoca… mesmo pq a historia do filme pára bem antes de o Brasil ficar sabendo quem é o Lula… ou achar que sabe.

filme recomendado, tanto pra quem apoia quanto pros outros 15% que nao conhecem o Brasil direito e querem que ele seja governado por esses 15% em vez de pela maioria =)

taí, falei de bosta, de acetona, de comunista, de cinema e do Lula. coisas completamente opostas (vai, levantei a bola pra vc chutar e me xingar, dizendo que eh tudo a mesma merda hehehehe)

bjo pra quem ainda nao cagou no papel aluminio e um abraço carinhoso pra quem já.
:*

ouvindo:  Butthole Surfers – Independet Worm Saloon, claro!
(já postei esse CD pra baixar aqui… mas como to falando de merda no post, tinha que postar de novo!)
quer algo mais anal que esse nome de banda e de CD? e tb com essa lombriga louca na capa?

Esse CD não é assim fantaaaastico, mas tem pelo menos 3 “classicos” (ou musicas que poderiam ser classicos):
1- Who the hell was in my room last night 
2- Gooffy´s Concern
3-  Alcohol

vale a pena baixar o CD, nem que seja pra apagar o resto e ficar com essas 3 no iTunes ;)

(clique na capinha do CD do Butthole Sufers para baixar)

Então é Natal…

.

quando chega o Natal é quase um anuncio homeopático de que o ano acabou. Se o reveillon chegasse de repente, certeza que muita gente nao gostaria de comemorar… então foi o dia que escolheram pra Cristo nascer… um pouco antes de mudar o ano…
vc bebe, come, da presentes, confraterniza, encontra toda a familia… faz um balanço de como foi o ano… e ainda tem mais uns dias para digerir tudo isso, até comecar um novo ano.

Nao fossem as estações, ficaria meio esquisito começar um ano arbitrariamente…  mas nao tem jeito, anos são ciclos definidos, mesmo que você bata o pé até ficar com calo. (pelo menos até o clima mudar de vez com o aquecimento! iuaheuihea)

como diz o ditado,  “o que nao tem solução, não é problema”, nos resta aproveitar melhor essa dança dos anos… e como?
pode parecer besteira… mas sempre tem as tais das resoluções de ano novo…  e, voltando a teoria da data do Natal perto da mudanca de ano, me parece que sem o expurgo obrigatório do Natal, não existiria resolução de ano novo.

e digo obrigatório com razão:  pelo menos no mundo ocidental, vc consegue imaginar alguém que passe batido pelo Natal? pode ser do contra e fingir que nao existe, de outra religiao, enfim… eh um feriado esquisito que não tem como (nem pra onde) fugir.

lembro de pouquissimas resoluções que eu fiz… e a maioria ficaram pairando apenas como diretrizes durante o ano… como “vou emagrecer”… “vou voltar a correr”… essas porras… heheheh

uma que eu lembro foi a quando eu decidi que ia ler. Na verdade comecei a ler (ou gostar de ler), de verdade, no cursinho, pq achava que aquela historia de resumos nao daria certo. Eu queria passar de qq jeito, depois de ter desistido da primeira facul… peguei um ano inteiro e me dediquei a passar nessa merda… deixando barba crescer e os caray…
pra mim tava claro que, vindo de colegio publico, eu tava bem atras da maioria que estava prestando Biologia, ja que estava começando a ficar na moda..

Começar a ler foi uma decisão racional. Ja que eu sabia de bio e tinha facilidade em quimica, e sabia que teria que estudar mais matematica e fisica de qq jeito para alcancar os outros, pensei qual seriam os meus pontos fracos e o ponto fracos dos babacas que prestam biologia.

Eu sabia que eu poderia aumentar bastante (e rapido) minha pontuação em ingles… depois disso, percebi que o pessoal de exatas e biologicas nao mandavam muito bem em Literatura e Redação. Pra melhorar, como maneira de se afirmarem na escolha por carreiras “nao-humanas”, tinham que desdenhar de história, redação e dos livros. Quanta besteira, né? bando de aborrecentes… enfim, taí a chave pra passar. Decidi assistir as aulas de redação, que eram em outro horario e ficavam vazias (ninguem dava a menor bola pra isso) e decidi também que iria ler os livros indicados.
o Pior de tudo é que eu achava que os livros seriam ruins.  Tinha o maior preconceito, achando que era tudo baboseira dificil de entender. Me surpreendi com o Dom Casmurro e com o  do Carlos Drummond de Andrade (mesmo que eu odiasse poesia… e ainda nao gosto muito). E foi ali que percebi que estavam empurrndo um monte de livros fodas pra ver se alguem mordia… ninguem falava que aquilo tudo era do caralho!

(será que 2010 vai ser o ano que vou usar Kinlde?)

voltando… bom, depois veio a facul…. deu uma amornada na leitura… até que um ano qq decidi, numa resolução, que eu iria “voltar” a ler… ou pelo menos ler mais e coisas melhores.

e como minha memória é péssima, eu escreveria o ano que estava, assim que terminasse de ler o livro, na primeira folha. Um maneira de me obrigar a ler mais e lembrar o que eu li, algum dia… iuhaeiuheuihea

de qq forma, li varios livros que nao sao meus… ou que nao estao mais comigo… entao isso de anotar e guardar tudo que li no deu muito certo. :)

mas nao deixa de ser um exemplo de resolucao que deu certo!

bom, tentei umas vezes fazer outras resolucoes e acho q desencanei…
como nunca lembro direito quais filmes eu vi… nem lembro, na ponta da lingua, quais eu mais gostei, pensei em escrever sobre os filmes que eu ia vendo… quase um blog privado… como uma agenda… mas ta loco… da muito trabalho… :)

mudando de assunto radicalmente…

na minha casa, Natal é sinonimo de bacalhau, camarão e alguns outros convidados, como polvo e lula.
E eu não vejo a hora de comer essas coisas… mas tb quando penso em bacalhau, me lembro do Tommy…

Au Au Au

ontem, meu cachorro Tommy morreu. Nesse último mes ele ficou bem malzao. fez uns exames, tomou um monte de remedios, nos ultimos dias dando comida na boca dele… foram quase 15 anos de convivencia, alegrias, tristezas divididas e muito companheirismo. espero que mútuo.

Eu, que sempre sou chatão de plantao, e tento entender que os animais sao, co-evolutivamente, apenas escravos nossos, como qq animal de estimação… que sobrevivem as dancas dos nossos dias, se sujeitando ao nosso cotidiano maluco, como um ser que tem sindrome de Estocolmo… quase como um escravo negro que adora a filhinha da Sinhá.

Mas em vez de correr e caçar em matilha, ele, sim, tem prazer e felicidade e conviver com o homem. que coisa bizarra, neh?

bom, esse Natal vai ser um pouco diferente dos outros, sem o Tommy, que acho que era o unico cachorro do mundo que preferia bacalhau do que carne!

uma apertada bem forte na pata! esse era o carinho que eu mais fazia nele… apertar as patas… :)

bom, voltando ao Natal e livros…

aliás, as pessoas deveriam se obrigar a dar apenas livros de presente de Natal.

Ouvi dizer (o óbvio) que a média de livros lidos por habitante no Brasil é 5 vezes menor que num país de merda chamado Estados Unidos da América (nem sequer tem um nome próprio esse país!)

e já que o post, além de Natal, Ano Novo e resoluções, tb é sobre livros, vou postar um “CD” que tem a ver com isso…

resolvi fazer hoje uma Coletânea (mixtape) com uma banda brasileira que é amada e odiada, como tudo o que é bom nesse mundo!

ouvindo: Dance of Days – blinque Mixtape

o Dance of Days é uma banda que tem letras bem trabalhadas, muitissimas vezes inspiradas em livros ícones.
Pra mim o Nenê Altro, vocalista e letrista, é um dos grandes compositores do rock nacional. Claro que não é uma banda perfeita… muitas vezes mal gravada,  muitas musicas mal produzidas ou mal finalizadas… ou CDs pouco lapidados para uma finalidade mais “comercial”… mas quem disse que existe um “certo”?

eu tenho todos os  CD s fisicos deles, exceto o Insônia 2008 e o Danca das Estações que eu baixei pq era mais fácil. =)
O CD que eu mais gosto deles é o Coração de Tróia, de 2002, um dos mais mal gravados… mas o que tem músicas mais urgentes. Esse CD morou no som do meu antigo carro por um ano inteiro…. quando estava triste ou feliz demais eu aumentava e cantava junto, como um bregão à la Jerry Maguire, que passou anteontem na TV, cantado Free Falling batendo no volante do carro. “Mas que se dane”, como diz o Nenê.

É uma coletânea com músicas que escolhi de última hora… poderiam estar outras musicas em vez dessas…

um 2010 foda proces e Feliz Natal!  E meu presente não é um livro… é uma coletânea:

(clique na capinha para baixar a Mixtape do Dance of Days)

EEPG

.

aleluia, irmao!
to divorta ;)

to acabando as gravações do CD dos professores…
amanha vou pra cubatão gravar o coro infantil da cidade e aih ta perto do fim! :)

espero que nao demore muito pra chegar la… nunca fui pra Cubatao, que me lembre…
iauehiuehuiea
lembro só de ter ido pra represa billings numa excursao (nossa que palavra esquisita…)… excursão de escola fundamental estadual…  o famoso (ex) EEPG Aristides de Castro …  “EEPG” é otimo!
pra fazer prova, na escola, eu tinha que comprar um almaço pautado na cantina (ou lembrar de levar de casa) e escrever no topo: E.E.P.G Aristides de Castro… embaixo São Paulo, 4 de Março de 1990, e só embaixo o meu nome, Carlos Costa Milhomem, nº4 (o número da chamada)… iuaeiuehiuhea
ai se vc nao escrevesse o EEPG… ta fudido na mortadela.

“E.E.P.G.” é otimo demais… e nem sei pq to lembrando dele… Escola Estadual de Primeiro Grau iuaheiueiuea
claro que tinha outras siglas EESG, EEPSG, EMPG… e por aih vai… mas a minha era a melhor, a E.E.P.G.

mas voltando a excursão aa represa billings…  podem zuar de passeio escroto! mas foi legal. acho. nem me lembro o que tinha na represa e se entendi alguma coisa. lembro que dia de excursão é dia de duas coisas: 1) se  livrar da aula chata e sair uma vez na vida durante a manhã para algo novo e legal, para se divertir com os amigos e 2) lanche gostoso. toda excursao merece um lanche feito pela sua mae as pressas na noite anterior  (la pelas 23h). feito de presunto e queijo, claro. acompanhamento tradicional: toddynho.

lembrando de outras coisas da escola Aristides (que fica no bairro do Itaim Bibi, antigamente na frente do Mappin, hj na frente do Extra Itaim): a Merenda!
enfim, se se pode chamar de merenda bulacha dada direto na mao do muleque e uma caneca de plastico azul com cafe com leite, ambos em pó, com 1kg de açúcar, pelando tão quente que nao sobra esofago inteiro…
e, claro, guerra de bolacha no pateo…

mas calma la! dia de comemoracao, ou perto de eleicao, tem cachorro quente!!!
a fila é grande e, se correr, ainda consegue com mostarda… pq catchup mesmo é certeza que as “serventes” ja levaram pra casa.

e no alto inverno vc mata o frio, e os vermes, com canjica pelando… claro que na mesma caneca, soh que agora com a colher, tb de plastico, azul…. mas nao da pra comer aquilo, nao… só tomar o caldinho q até que era bom.. :)

to lembrando mil coisas engraçadas… mas com certeza pra vc nao é… eh a vida…
mas fazer um cocozim no aristides eu tenho q contar…  alem de ter q torcer pra fessora deixar descer pra cagar, tinha que pedir papel pra mesma servente… e ela dava duas voltas com a mao no rolo  de papel e te dava…  _vou fazer o que com isso? limpar a xana? alô, se sou macho e peço papel, eh pra cagar, santo caralho! e  limpando bunda com as meias e/ou cuecas tb eh padrao em escola publica… pq nao eh sempre que a servente esta la… ou de bom humor… ou que tem papel, mesmo…
iauehiuehuihea

toda essa lenga-lenga pq to escrevendo a noite, pouco antes de acordar cedissimo para ir em direção aa billings… mas na verdade para Cubatão, que nao deixa de ser uma excursão para algo novo… e as crianças estarao la tb… cerca de 1 dúzia de crianças de escola municipal que fazem parte do coral infantil…  eles vao cantar um “hino” ao professor… espero que fique bom…
ahhh, antigamente a palavra Cubatao vinha acompanhada, obrigatoriamente, de “a cidade mais poluida do Brasil”. espero que tenha melhorado… e que seja legal :)

e sempre, antes de uma excursão, existe o pensamento positivo para que faça sol!

entao aih vai: pensamento positivo pra fazer sol!

;)

chatisse overdose

.

:)
quem me conhece sabe o quanto eu sou chato. o termo “ranza” surgiu pra tentar qualificar minha chatisse .

eu sempre fui chatonildo de propósito e uma das idéias era encher o saco dos outros… ou ser mala, contrista convicto, meio personagem, mesmo… o ranzinza que discorda de tudo.
meu avô, com quem eu sempre briguei muito, era um master-ranza (droga, nao existe mais hifen nesses casos, existe?). É provavel que ele tenha me influenciado muito nesse jeito idiota de ser…

outro que me influenciou foi o Paulo Francis… eu odiava e adorava ao mesmo tempo… eh tanta ironia misturada com uma critica acida e tiracao de sarro que era impossivel ficar indiferente:

talvez seja isso… fazendo uma autoanalise bem vagabunda, devo chegar a conclusao que tenho vertigem de passar desapercebido… problemas de autoafirmacao? ego? sei la… ainda bem q nunca li muito sobre isso… pq senao ia ficar mais encanado… iuaehiuehea

ja pensou? um chato convicto, pessimista natural, com problemas existenciais… aih fode a porra toda…
se bem q to ficando encanado ultimamente… daqui a pouco viro hipocondriaco.

o problema é que to ficando chateado com a minha própria chatisse… ela ta passando do limite!
iuhaeiuheiheaeu
parece até que me chateio de proposito para nao perder a piada… ou nao estragar o personagem…
ou pior, ser chato por costume, algo automatico… aih eh foda, neh? preciso parar!!

iuhaeiueuihea

to com algumas ideias pra combater isso:
assistir todas as segundas ao filme Sim, Senhor
– comer mais chocolate
– comprar florais de Bach (o elixir pra tudo) como o tal do “Rescue” que além de nome de banda, só falta fazer ganhar na Mega uaeiuheuhea
– correr mais no parque ou fazer mais coisas aeróbicas
– tomar mais vinho que cerveja
– virar
hare hare, hare krishna e vestir apenas coisas cor salmao, nem que seja uma camiseta da Richards salmao ou um tenis nike salmao. iauehiueuihea

se tiver alguma ideia melhor ou complementar, por favor sugira!
:P

enfim… preciso comprar um teclado novo pro PC pq muitas letras estao falhando e isso, sim, eh um problema real!