Archive for the ‘politica’ Category

Aborto?!

.

A questão principal é interferir ou não na vida dos outros.

É possível que exista gente que gostaria que o álcool-bebida parasse de ser vendido.

Isso está longe de parecer viável… mas pode acontecer! E o consumo de álcool por um pode interferir, com certeza,  na vida de outra pessoa.

Mas em outros casos, qual a interferência?

Se se descriminalizasse (ou mesmo se liberasse) o uso da maconha? Que diferença faz se seu “café” é diferente do “café” do outro?! Merece reclusão?

E se você é vegetariano, porque não continua matando alfaces e deixa meu churrasco em paz?! Afinal, eu tb sou vegetariano quando não estou comendo carne… :)

De qualquer forma, todos os seres que não vivem de fotonssíntese tem que que subjugar outra vida para sobreviver!

Mas no caso Aborto, se pessoas abortarem, não significa prejuízo nenhum dos que são contra. E se o feto vem de células de duas pessoas, é direito delas fazer o que quiserem com elas!

A não ser que os religiosos acreditem que todos (ou o máximo possível de almas) tenham que ir para o Céu, para garantir o sucesso da operação divina.

Então:

Religiosos, deixem que os pró-aborto tenham direito de ir ao inferno! Que mania de querer a salvação para todos, usando a Lei dos Homens! Afinal, no inferno tem Rock!

Mas o que seria mais produtivo (e legal) é um debate digno entre as partes. Ou entre indecisos, ou com pessoas que concordem ou discordem em parte.

Sempre toco nessa tecla, nas redes sociais ou em papo de boteco:

As pessoas precisam aprender a respeitar mais a opinião dos outros e conversar numa boa, mantendo amizade e trocando informações.

Isso vale para aborto, para lei seca, para construção de represas, para vegetarianismo… e, enfim, para política, futebol e religião!

A frase mais burra, que perdura desde a ditadura, é “Política e religião não se discute! (cada um tem a sua)”

Como não?! Você é burro ou o quê?? Se você não pode conversar sobre coisas importantes, a sua vida é o que, só fofocas?!

“Discutir” não quer dizer “brigar”!

A não ser que vc seja um teimoso fundamentalista… aí tudo bem, vá apedrejar alguém na esquina! =P

Debate/Discussão tá em baixa ultimamente…  as pessoas querem empurrar uma opinião pronta comprada na Veja ou ouvida por um Jabor, Mainardi, Casoy, Datena da vida… como se fossem donas da verdade. Ou quando a pessoa quer desqualificar uma opinião, fazendo escárnio da do argumento, ou citando erros de português, por exemplo?! afff

Se vc quiser ver o nivel (não recomendo), digite “abortion” no Google imagens, pra ver como tá a situação de quem quer convercer de que está certo. O nivel está muito baixo , não só no Brasil.

E como o post é sobre debates civilizados, aí está um texto que saiu na Folha de São Paulo hoje, Sexta-feira 13 (de abril de 2012), bacaninha, sobre o tema.

Tem uma questão legal sobre a importância de haver diálogos entre conservadores e liberais nas sociedades modernas.

Visões de mundo

Hélio Schwartsman

” De um lado, estão Suécia, Dinamarca, França, Holanda, Itália, Canadá e EUA; do outro, Belize, República Dominicana, Laos, Tuvalu e Vaticano. Qual a diferença entre os dois grupos? No primeiro, o aborto é livre. No segundo, proibido em todas as circunstâncias.

Pode ser só coincidência, mas países que ultrapassaram certo patamar de desenvolvimento econômico e educacional liberalizaram sua legislação relativa ao tema. Na companhia de quem o Brasil deve estar?

A decisão de ontem do STF de permitir o aborto de fetos anencefálicos chega com atraso e não toca na questão principal, que é definir se a interrupção voluntária da gravidez deve ou não ser considerada crime.

Como o leitor já deve ter percebido, tenho uma opinião bem firme sobre o assunto, mas hoje eu vim não para dividir, mas para unir.

No recém-lançado “The Righteous Mind”, o psicólogo Jonathan Haidt sustenta que as visões de mundo de liberais (esquerdistas) e conservadores têm base em diferentes combinações de intuições morais. Enquanto os primeiros se focam nas noções de proteção, justiça e liberdade, os segundos operam com essas três categorias mais as de lealdade, autoridade e santidade (ou pureza).

Para o autor, que é um liberal, os conservadores estão em vantagem. Eles podem não ser tão bons para detectar injustiças e defender os oprimidos, mas são seus valores “exclusivos” que promovem a coesão de grupos e azeitam os vínculos comunitários. Um mundo totalmente liberal seria um lugar bem mais solitário.

Segundo Haidt, precisamos das duas visões. Melhor ainda se o debate entre elas for civilizado, marcado pela tentativa sincera de compreender o outro lado. Mais do que fruto de interesses escusos ou opções ideológicas, o “blend” de intuições morais de cada indivíduo é, em larga medida, ditado pela genética. Estamos condenados a ser o que somos e também a conviver uns com os outros.”

E viva o Estado Laico!

Anúncios

“Eu faço o bem… pra quem?”

.

a pedido da Célia Helena to postando (emprestado) um texto do Luis Felipe Pondé, sobre “Autoritarismo escondido”, que acho que tem muito a ver com o momento. Qual seja o momento: a guerra surda, dicotômica, entre internautas (ou não). Esse Grêmio vs Inter, Judeu vs Islamita, Tucano vs Petista, enfim, coisas de extremistas com tapa-olhos de cavalos.

e que geram coisas do tipo: “se eu tomo multa de transito sem razão, a PM tem que descer borracha em quem faz algo pior que eu”, “o Lula que se foda e vá se tratar no SUS”, “pena de morte pq a prisão tá cheia”, etc… todos bem intencionados para com a sociedade em que vivem, claro…

 

o texto, se bem lido (e de cabeça aberta), pode vir seguido de uma auto-reflexão.

É duro lembrar de algum episódio no qual você se reconhece como protagonista do texto. Mas é isso… faz parte da natureza humana. Que bom que sou alien… :P

 

O texto do Pondé saiu na Folha de SP, dia 18/07/11

“A tentação totalitária 


Primeiro vem a certeza de si mesmo como agente do “bem total”, depois você vira autoritário em nome dele


VOCÊ SE considera uma pessoa totalitária? Claro que não, imagino. Você deve ser uma pessoa legal, somos todos.
Às vezes, me emociono e choro diante de minhas boas intenções e me pergunto: como pode existir o mal no mundo? Fossem todos iguais a mim, o mundo seria tão bom… (risadas).
Totalitários são aqueles skinheads que batem em negros, nordestinos e gays.
Mas a verdade é que ser totalitário é mais complexo do que ser uma caricatura ridícula de nazista na periferia de São Paulo.
A essência do totalitarismo não é apenas governos fortes no estilo do fascismo e comunismo clássicos do século 20.
Chama minha atenção um dado essencial do totalitarismo, quase sempre esquecido, e que também era presente nos totalitarismos do século 20.
Você, amante profundo do bem, sabe qual é? Calma, chegaremos lá.
Você se lembra de um filme chamado “Um Homem Bom”, com Viggo Mortensen, no qual ele é um cara legal, um professor universitário não simpatizante do nazismo (o filme se passa na Alemanha nazista), e que acaba sendo “usado” pelo partido?
Pois bem. Neste filme, há uma cena maravilhosa, entre outras. Uma cena num parque lindo, verde, cheio de árvores (a propósito, os nazistas eram sabidamente amantes da natureza e dos animais), famílias brincando, casais se amando, cachorros correndo, até parece o Ibirapuera de domingo.
Aliás, este é um dos melhores filmes sobre como o nazismo se implantou em sua casa, às vezes, sem você perceber e, às vezes, até achando legal porque graças a ele (o partido) você arrumaria um melhor emprego e mais estabilidade na vida.
Fosse hoje em dia, quem sabe, um desses consultores por aí diria, “para ter uma melhor qualidade de vida”.
E aí, a jovem esposa do professor legal (ele acabara de trocar sua esposa de 40 anos por uma de 25 -é, eu sei, banal como a morte) o puxa pelo braço querendo levá-lo para o comício do partido que ia rolar naquele domingão no parque onde as famílias iam em busca de uma melhor qualidade de vida.
Mas ele não tem nenhuma vontade de ir para o comício porque sente um certo “mal-estar” com aquilo tudo. Mas ela, bonita, gostosa, loira, jovem e apaixonada (não se iluda, um par de pernas e uma boca vermelha são mais fortes do que qualquer “visão política de mundo”), diz: “meu amor, tanta gente junta querendo o bem não pode ser tão mal assim”.
É, meu caro amante do bem, esta frase é uma das melhores definições do processo, às vezes invisível, que leva uma pessoa a ser totalitária sem saber: “quero apenas o bem de todos”.
Aí está a característica do totalitarismo que sempre nos escapa, porque ficamos presos nas caricaturas dos skinheads: aquelas pessoas, sim, se emocionavam e choravam diante de tanta boa vontade, diante de tanta emoção coletiva e determinação para o bem.
Esquecemos que naqueles comícios, as pessoas estavam ali “para o bem”.
Se você tem absoluta certeza que “você é do bem”, cuidado, um dia você pode chorar num comício achando que aquilo tudo é lindo e em nome de um futuro melhor.
E se essa certeza vier acompanhada de alguma “verdade cientifica” (como foi comum nos totalitarismos históricos) associada a educadores que querem “fazer seres humanos melhores” (como foi comum nos totalitarismos históricos) e, finalmente, se tiver a ambição política, aí, então, já era.
Toda vez que alguém quiser fazer um ser humano melhor, associando ciência (o ideal da verdade), educação (o ideal de homem) e política (o ideal de mundo), estamos diante da essência do totalitarismo.
O que move uma personalidade totalitária é a certeza de que ela está fazendo o “bem para todos”, não é a vontade de destruir grupos diferentes do dela.
Primeiro vem a certeza de si mesmo como agente do “bem total”, depois você vira autoritário em nome desse bem total.
O melhor antídoto para a tentação do totalitarismo não é a certeza de um “outro bem”, mas a dúvida acerca do que é o bem, aquilo que desde Aristóteles chamamos de prudência, a maior de todas as virtudes políticas.
Não confio em ninguém que queira criar um homem melhor. “

Década de 10

.

Já dá pra perceber pipocando mundo afora: A década de 10 é a década da virada. Ou do declínio.

“Existe algo errado acontecendo”

A “Primavera Árabe”, a “Insureição da “”massa”” inglesa”, rebaixamento dos EUA na agência de risco, as manifestações estudantis no Chile…

São os sintomas de: i) um mundo viciado em consumo; ii) a diferença do nível de democracia entre os povos  e iii) o acesso desses povos à informação rápida, graças à internet em gadgets – frutos do próprio consumo globalizado!

E eis abaixo o novo arauto desses dias, botando pra fuder no jornal da BBC, o Dacus Howe, já apelidado de o Pantera Negra britânico:

querendo saber mais sobre ele, a revista Vice já se antecipou: clique AQUI pra ver entrevista com ele.

E sobre essa “revolta inglesa”, tem um ótimo artigo do Clovis Rossi da semana passada que eu dei um jeitinho de disponibilizar AQUI

A palavra-chave agora é crise. Não só econômica. Crises são momentos esporádicos… momentos críticos, de decisão. E nesse caso parece indicar o sentido do colapso.

Colapso da produção, do consumo, da ocupação do espaço, da utilização dos recursos, do modo de vida.

Tá muito claro que o novo sonho da classe média não é mais a casa própria. O sonho agora é morar em um Feudo (vulgo condomínio fechado) e consumir os artigos de ponta, as ultranovidades da tecnologia (ou do marketing): a criação de necessidades que antes nao haviam.  Esse é o sinônimo de felicidade, nesse começo de década.

Por acaso você precisa trocar um celular por outro de 6 em 6 meses? Ou a industria é que está criando alguma novidade para que os milhões de trouxas, como eu, achem aparelho atual obsoleto e troquem por um novo? Afinal, se todos no mundo tiverem um celular só para falar com o vizinho, a fábrica fecha.

o Colapso significa que o “mundo moderno” pede para que as pessoas sejam mais egoístas… e isso é insustentável.

o egoísmo-coletivo é o contrario do progresso.

mas é isso que aumenta as vendas e dá dindin!

E agora?

Eu troco 500km de trem-bala por 5000km de trem normal!

.

Alô, Dilma!

Estamos em um dos únicos países do mundo que não tem trem de passageiro!

Depois de décadas de sucateamento, passando por absurdos no Ministério dos Transportes, que é óbvio que jogou as ferrovias nacionais nas mãos das grandes mineradoras e do agronegócio, reduzimos as viagens de Trem a praticamente ZERO!

Blue Train, na África do Sul. Vai, Brasil, não é tão impossível assim!

Quando digo “Trem de Passageiro” não estou falando de passeios turísticos de trem! Estou falando de  transporte de gente dum lado pro outro. “Passeio em trem antigo pra ver a serrinha com almoço incluso” pra mim é parque de diversão! nostalgia. To falando de por as malas num vagão e ir pra outra cidade ou Estado, porra! =)

“É importante saber que não existem mais trens de passageiros regulares no Brasil, com apenas duas exceções (os trens da Vale do Rio Doce, Belo Horizonte-Vitória e São Luiz-Carajás) e dos trens metropolitanos de algumas capitais (…)” no site http://www.estacoesferroviarias.com.br

Cadê o PAC da Ferrovia?!?!

o Brasil deveria ter pelo menos uma Ferrovia que ligasse o Norte ao Sul, passando por Brasília e pelo menos 5 entroncamentos ligando interior ao litoral, apenas para passageiros.

E não priorizar ainda mais a ligação do eixo rio-sp via trem-bala!  Para acelerar o desenvolvimento do Brasil, seria muito bem-vindo o fluxo de pessoas… e logística em geral rodando Brasil afora!

Nossa, me lembro de ir de trem com meus avós de SP até Nova Granada, praticamente em Minas Gerais… e tinha beliche! :)

Quem é dono das ferrovias?

ahhhhh…. Eu troco as obras da Copa para construir essa ferrovia!

E na verdade nem precisa construir muitas ferrovias… o que precisa é recupera-las e retomar das mãos das grandes empresas! Como podemos ter deixado elas virarem “donas” dos trilhos???

Nesse post o camarada cita que temos mais de 28.000 km de malha ferroviária!

E que as ferrovias foram privatizadas e funcionam por concessões.

Acho que está na hora de termos de volta o que é nosso!

Mas já estaria de bom tamanho trocar essa merda de trem-bala por uma ferrovia convencional, pelo mesmo preço!  O trem-bala é trocar 6 por meia-dúzia a ponte aérea que funciona perfeitamente e que nao tem um preço muito alto. Aliás, diziam que a passagem rio-sp de trem-bala seria no mesmo valor da ponte aérea, para nao prejudicar as companhias… absurdo!

Então vamos a nova pseudo-campanha:

“Eu troco 500km de trem-bala por 5000km de trem normal!”

Não preciso ir longe pra dar exemplo… A Bolívia tem trens de passageiros, com composições e vagões desde ultra-populares até de alto luxo, com jantares na base de velas e vinhos… sem querer desmerecer os hermanos, claro!

Caso uma crise braba a longo prazo venha aí, investir em turismo doméstico, depois de elevar grande qtde da população à classe media, pode ser uma boa ideia! Vamos retomar as Ferrovias!

O certo seria invocar os Ecobobos, afinal é um transporte muito mais ecológico e sustentável que infinitos veículos rodoviários. E eles tem mania de formar exércitos de convencimento, como tá na moda o GreenPeace e afins na Av. Paulista… Mas é claro que eles não pensam nisso… só querem aporrinhar tentando vetar alguma hidrelétrica ou me enchendo pra nao comer mais bife.

Mas também, num país com um dos maiores potenciais turísticos do planeta, o Ministério de Turismo teve um corte no orçamento absurdo em 2011. E o Ministério dos Transportes, além de ter um orçamento enorme, é um dos mais sujos…

tamo a pé ou de trem?

Dificultar é proibir!

.

De novo e na sequência, vou ter que postar sobre outra entrevista que saiu na Ilustrada dia 19/04/11…

Não que eu fique babando pela Folha de SP, mas ou é coincidencia ou realmente tão mandando bem em algumas entrevistas nesse caderno.

Lêdo Ivo

.

.

pra quem não conhece, Lêdo Ivo é um imortal da Academia Brasileira de Letras. Eu ateh pediria perdão a eles por escrever errado e sem acento, mas veja bem… Sarney e Paulo Coelho nas cadeiras da ABL nao da, né?

.

“Se eu quiser publicar uma foto do Barack Obama, eu posso. Do [Manuel] Bandeira, eu tenho que pagar”

(sobre ser impedido de usar alguma foto de Manuel Bandeira na sua biografia, que foi amigo dele por muitos anos, pelo sobrinho-neto de Bandeira)

e depois:

Ele foi meu amigo durante 30 anos e o curioso é que nunca conheci nenhum parente dele. Fomos vizinhos em Teresópolis, e nunca apareceu ninguém.”

Não sou fã nem leitor do Ivo, mesmo porque não sei muito sobre ele.  Mas sei que é uma pessoa que não se cansa por pensar e é razoavelmente preocupado com o coletivo. Além de ver as questões do mundo com muita clareza e saber ser crítico no que importa, tem um certo humor e ironia em suas análises.

outros trechos da entrevista:
(vc pode baixar ela inteira aqui)

“Acho que só deveriam herdar os descendentes diretos. Se o escritor tivesse filhos, os filhos herdariam.”

“O senhor acha que a lei deveria mudar?
Acho que é preciso uma legislação moderna que discipline tudo isso. Por que eu devo pagar à família por fotos em que estou ao lado do Bandeira? Você recebe cartas, mas não é dono destas, elas pertencem à família. É uma legislação maluca.”

“(…)Outro problema é o da biografia. (…)
Acho que a família não quer que estes fatos venham à público. Mas é um negócio de louco. Uma biografia autorizada não é uma biografia, pois atende às conveniências da família. E a verdadeira biografia, que poderia servir à compreensão do leitor, está proibida no Brasil.”

Direitos Autorais

É isso! Tem que rolar uma revolução nos Direitos Autorais no Brasil!

Algo que permita citações, colagens, remixes, referências, interpretações, biografias, documentários!

Esse mix é a alma do Brasil: Direitos Autorais Antropofágicos JÁ!

Acho que a Ana de Hollanda, excelentíssima Ministra da Cultura, pensa nos direitos mais como um pensão para os artistas e herdeiros infinitos…

E o Antônio Palocci e Lars Von Trier com isso?

É uma loucura a tucanisse do bom-mocismo e do politicamente correto que vivemos hj em dia.

qualquer frase fora do contexto vira manchete às inversas! Como no caso do Lars Von Trier que disse numa entreveista ‘I Understand Hitler; I Sympathize With Him a Bit’ num contexto de questionamento e na tentativa de entender melhor o Homem (no sentido geral, não do hitler, claro) e sua história. Sem contar as ironias e provocações que são tipicas de respostas curtas que contém muito conteúdo implícito. E lá foi o Lars expulso de Cannes! Que maluquice!

Outra foi do caso Palocci, que “enriqueceu” 6 milhões em 4 anos. Pera lá!!! A empresa dele faturou 7 milhões em 48 meses… isso dá faturamento de 145mil/mês e pagou todos os impostos. Depois ele deciciu mudar o ramo da empresa, quando foi assumir o cargo de ministro, para que ele mesmo ficasse impedido de continuar dando assessorias, pq isso, sim, seria errado. Portanto a empresa comprou um imóvel para congelar os bens até que ele voltasse a usar a empresa de novo, quando deixar de ser ministro. Qual o problema? Ninguém pode enriquecer? Só pode  enriquecer Executivo gringo de multinacional?!

Ou seja, fez o certo e tá sendo acusado?! Não é nenhum absurdo uma empresa de alto gabarito faturar 150mil! Se ele der 1 palestra por semana, dá pra empresa ter ganho maior que isso… mas o importante é noticia sensacionalista! É ter um Judas pra malhar…

juntando os dois assuntos, Lêdo Ivo + Palocci:

Por conta dessa entrevista do Ivo à Folha, a deputada Manuela D’Ávila, PC do B do RS  “(…) retomou um projeto do hoje ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci (PT-SP) [quando deputado], que objetiva garantir o direito de publicação de imagens e informações biográficas de pessoas com trajetória pública, independentemente de autorização, sem prejuízo do direito a indenização caso se comprove dano a essas pessoas.
Na legislatura anterior, o projeto deixou de ser aprovado em razão do bloqueio por parlamentares que não queriam ver as próprias biografias publicadas. Espera-se que o Congresso Nacional supere essas resistências e fortaleça a democracia brasileira ao aprovar o quanto antes uma atualização do Código Civil, para que o país extirpe de vez todo e qualquer dispositivo de censura prévia de sua legislação.” (editorial da FSP 24/04/11)

(Então tenho que escrever de novo “ou seja”)

(a)Moral da historia:

Ou seja, o deputado Palocci que defende que as histórias do Brasil sejam contadas sem censura prévia está sendo acusado por quem não quer que suas histórias sejam contadas (deputados e senadores ricos) de enriquecer sem contar como enriqueceu.

Só no Brasil, mesmo!

Acho que a única solução, realmente, é melhorar o nível de interpretação de texto das crianças, nas escolas. Enquanto os brasileiros só entenderem uma frase por vez e não conseguirem ler uma lauda e entender o que está escrito, só resta chorar.

Dica pro MEC: Escola fundamental deveria ter apenas essas aulas: Matemática Criativa, Língua Portuguesa e Interpretação e Discussão de assuntos gerais.

Nunca, né? :|

Richard Rogers – quanto mais misturado, melhor!

.

ontem saiu na Ilustrada uma entrevista com o arquiteto Richard Rogers, que está em SP e veio ao Brasil para rascunhar  obras para a prefeitura e tb para obras do RJ para a copa…

mas como pessoa grande que é, falou mais de urbanismo e sociologia urbana do que de obra de estádio…

Richard Rogers é um garoto de 81 anos (criança, perto do arquiteto Oscar Niemeyer, de 103, rs) e esquerdista como o colega brasileiro.

Quando li, na verdade, nao sabia quem era o cara, mas ja admirava a obra dele…

fiquei de queixo caído quando cheguei no terminal 4 do aeroporto de Barajas, em Madri, e desde então sempre fiz muitos elogios, mesmo sem saber quem tinha inventado aquilo tudo…

é sempre bom descobrir que quem fez algo que voce gostou muito é uma pessoa melhor do que voce imaginava…

não vou postar a entrevista inteira, mas vou por um link para voce poder ler, aqui . Não é muito grande ;)

mas vou citar alguns trechos que alinho total:

habitação:

“O problema de pobres e ricos no Brasil é igual ao que existia nos EUA. Cidades não podem ter guetos, seja para negros ou pobres”, quando perguntado o que fazer quando ricos não querem pobres por perto, logo depois de ter dito que deve-se misturar moradias de ricos e pobres: “Uma área só para ricos contraria a ideia de cidade.”

transporte:

“Quanto mais estradas [avenidas] você abre, mais congestionamentos você terá”
“É inacreditável que em São Paulo as pessoas aceitem andar de carro a 10km/h. A pé é mais rápido.”

urbanismo:

Como uma cidade faz para term mais espaços públicos?

“Precisa ter parques em todos os distritos. (…) Um dos segredos é controlar as forças do mercado”

política pública de recuperação:

O governo de SP tenta recuperar uma área degradada, a Luz, com museus e salas de concerto. Isso funciona?

“Não. Você precisa de usos mistos para recuperar uma área. Não faz sentido uma área só com shopping ou escritórios. Os governos estão fascinados com museus, mas só isso não funciona.
Meu escritório fica numa área de Londres onde as pessoas não podiam ir há 15 anos de tão perigosa que era. Hoje é uma das melhores áreas de Londres. Isso ocorreu porque há escritórios, moradias e museus. “Quanto mais misturado, melhor.”

está dito.

;)

33

.

33 anos hoje.

É fato que vão falar, nessa ocasião: idade de Cristo

Essa é uma curiosidade muito grande que eu tenho. Ele sempre tem a mesma idade pras pessoas… como se ele sempre tivesse 33, uma vez que morreu com 33.

Então se trata de “Idade de Cristo Quando Morreu”, oras… meio mórbido, não?

quando vc faz 24 anos, ninguém fala: Idade de Noel Rosa (quando morreu!)

Ninguem se pergunta o que Cristo fez com 32, 31, 30 anos…  muito estranho…

Turbante e Revolução Árabe!

bom…  pra comemorar meu aniversário-da-idade-de-cristo-quando-morreu, nada mais justo que uma foto tirada hoje em homenagem ao povo de onde muita coisa comecou (pelo menos parte dessa cultura semi-ocidental) e que está botando pra quebrar!

não me refiro aos cristãos… mas ao povo situado entre Africa/Asia/Europa, que nunca se soube exatamente como chamar…

muitos resumem: povos árabes. povos do deserto, nomades, islamicos/muçulmanos (apesar de que religião não resume povo)…

importante lembrar que em algum momento da história da humanidade houve um povo que deu origem aos árabes e judeus, cristãos… e ainda se le muito sobre isso, quer seja nessas igrejinhas, como a Universal ou outra religiao ocidental qualquer… histórias bíblicas são tb em parte histórias árabes, pq não?

de qualquer maneira, o importante é que o povo árabe como um todo é muito mais discriminado hoje, pelo mundo ocidental, do que os judeus, entre outros.

Se é assim, mas que porra que estamos fazendo?!

Somos os carrascos em vez de vítimas! (olha eu incluindo o Brasil no primeiro mundo… hahaha)

Democracia Árabe

Destruímos milenios de cultura. Forçamos que fossem divididos e depois reorganizados em países e fronteiras. Ajudamos a colocar imperadores/ditadores que faturam a custa de transformar o povo em subescravos pacíficos, em povo seco, sem condições reagir. Enquanto isso, sugamos a maior riqueza que eles possuem, o quase-infinito petróleo, por baixo do deserto que nada nasce.

São ricos e pobres ao mesmo tempo. resumo: explorados. moral do resumo: por nós.

Esse povo, gentil, hospitaleiro, honesto, inteligente, tratado como se fosse outra espécie de macaco, inferior. Aliás, os Eco-bobos de hoje em dia JAMAIS permitiriam que um outro macaco fosse tratado como os povos árabes.

Greenpeace o meu ovo! Tem milhares de “macacos como eu” morrendo de fome, sendo massacrados no oriente!


Se voce se colocar nesse contexto, de exploração de seus ancestrais por mais de século, talvez voce fosse um Che Guevara árabe, não? Talvez se voce visse um guarda estuprando uma irmã e houvesse impunidade eterna e sistematicamente para coisas assim, talvez resolvesse explodir o mundo, não?

mesmo porque, ficar na floresta atirando escondido no exercito de uma ditadura é bonito, né? Agora, ser invadido por uma potência para garantir que um ditador fique controlando a pobreza, fingindo que se não for firme a Al Qaeda assume, pro barril de petróleo nao passar de U$100 e reagir a isso, é feio. Sei.

Não faço nenhuma apologia à morte ou violência.

E por isso fico muito feliz com essa Revolução Árabe pró-democracia (ou contra a opressão).  Espero que contagie todo o mundo islamico, chinês e demais.

Ver isso acontecer vai ser o melhor presente do meu 1/3 de século de vida! :)

Viva la Rev!

Hasta la victoria siempre!

Eu e Turbante:

Caso alguém tenha a curiosidade, na foto é um legítimo turbante oriental, comprado pela net. Acho que vem do afeganistão ou algo parecido. Foi comprado na loja americana (aparente contradição) especializada em artigos arabes/islamicos Zarinas e entregue em casa.  Antes eu tinha feito um turbante eu mesmo, comprando uns metros de tecido, cortando e costurando, como (mal) da pra ver no ultimo clipe do Huaska, feito antes do ínicio das revoluções árabes pró-democracia (eu farejo tendencias! rs) :

Ecobobos, acordem!

Tomei a liberdade (roubada a força) de publicar no meu blog texto de Rogério Cezar de Cerqueira Leite, originalmente publicado na Folha de São Paulo, no dia 19/05/2010.

Sei que não está de todo correto publicar sem autorização do autor, porém, acho que esse é um manifesto anti-imbecilização, importante de ser lido e espalhado, já que vivemos numa época em que todos os Ecobobos alienados aplaudem James Cameron.

Belo Monte, a floresta e a árvore

ROGÉRIO CEZAR DE CERQUEIRA LEITE


Se o Brasil for impedido de ampliar o aproveitamento do potencial hidroelétrico, então será forçado a recorrer ao uso de combustível fóssil


QUE CARNAVAL estão fazendo os ambientalistas e ecopalermas em torno da futura usina de Belo Monte, a ser implantada no médio Xingu, na Amazônia.
O primeiro crime, segundo eles, seria o sacrifício de 500 km 2 de mata, ou seja, a mesma área que, em média, tem sido desmatada a cada dois dias neses últimos anos, devido ao comércio de madeiras e à invasão da soja e do gado na Amazônia.
Esse exército extemporâneo de Brancaleone é composto de conservacionistas de diversas espécies.
Além de uma tribo de índios locais e de bem-intencionados, porém mal informados, estudantes e intelectuais, veem-se artistas de Hollywood e de outras culturas, malabaristas, fanfarrões e pseudointelectuais.
Será que esses senhores deixaram de comprar móveis de mogno, ou se manifestaram perante seus governos, ou boicotaram a carne e a soja produzidas na Amazônia?
Será que percebem que a área alagada pelo projeto Belo Monte corresponde a tão somente 0,01% da Amazônia brasileira e que bastariam 0,025% do rebanho nacional de gado para invadi-la, dentro da média atual de ocupação?
Ou seja, da maneira como está planejada Belo Monte, usina de fio d’água, não há no Brasil melhor opção do ponto de vista de sustentabilidade, que combine condições ecológicas e também financeiras.
Alguns talvez argumentem que, somando vários 0,01% do território da Amazônia, então se ocuparia parcela apreciável do território amazônico.
Ah, que bênção seria se tivéssemos mais uma meia dúzia de Belo Montes! Mas, infelizmente, não existem tais riquezas. Tudo bem, vão dizer os mais inteligentes e bem-intencionados “ignocentes” (neologismo composto por 50% de inocência + 50% de ignorância), mas e a biodiversidade?
Ora, qualquer espécie que esteja espontaneamente restrita a um território de 500 km 2, excetuando-se algumas confinadas a pequenas ilhas, já está em extinção. Só um ignorante pode pensar em perda de biodiversidade nessas circunstâncias.
E é claro que muitos espécimes vão sucumbir, milhares, se não milhões de formigas, carunchos e talvez até alguns mamíferos. Em compensação, 20 milhões de brasileiros poderão ter luz em suas casas, muitos outros locais passarão a ter benefícios do progresso, poderão ver pela TV o “Programa do Ratinho”.
Indústrias geradoras de emprego serão implantadas. É isso que os “ignocentes” não percebem. Eles veem a árvore, mas não percebem a floresta onde ela está inserida, sem a qual não pode a árvore sobreviver.
Quanto à questão social, é preciso lembrar que o caso de Belo Monte é muito diferente do de Três Gargantas, na China, onde a densidade da população ribeirinha era extremamente elevada. O governo chinês admite que precisou realocar 1 milhão de habitantes; outras organizações falam em 2 e até 3 milhões.
Em contraste, considera-se que, em Belo Monte, apenas dois ou três milhares de habitantes são computados e que, na mudança, ganhariam significativamente quanto a infraestrutura e conforto pessoal. Os índios da região amazônica são, em origem, seminômades, deslocando-se periodicamente sempre que recursos naturais se escasseiem devido ao extrativismo a que eles mesmos recorrem.
Portanto, dos pontos de vista cultural, psicológico e até mesmo material, contrariamente ao que pretendem alguns ambientalistas, o índio pouco ou nada sofrerá.
Vejamos por que são tão ingênuos esses bem-intencionados verdolengos. Se o Brasil for impedido de ampliar o aproveitamento do seu potencial hidroelétrico, será forçado a recorrer ao combustível fóssil, pois a energia eólica, embora desejável sob vários aspectos de sustentabilidade, não oferece segurança de fornecimento acima de certo nível de participação em um sistema integrado.
Além do mais, a distribuição de ventos pode mudar com as inexoráveis mudanças climáticas, devido ao aquecimento global. E, se jamais o pré-sal vier a se concretizar, não haverá como convencer os líderes governamentais de que usinas termoelétricas a óleo combustível serão prejudiciais à humanidade.
Será que tais ambientalistas não percebem que não deixam alternativa ao país senão o uso de combustíveis fósseis, o que acarretará, inelutavelmente, embora a longo prazo, a desertificação da Amazônia, dentre outras catástrofes?
Com isso, não será apenas a meia dúzia de saimiris que perecerá nos 500 km 2 da usina Belo Monte, mas toda, ou quase toda, a biodiversidade da Amazônia e do resto do planeta.
Não percebem esses “ignocentes” que a usina e suas eventuais congêneres constituem a melhor arma que têm o Brasil e a humanidade para combater o aquecimento global e, com isso, defender a integridade da floresta Amazônica e das demais matas de todo o planeta?


ROGÉRIO CEZAR DE CERQUEIRA LEITE , 78, físico, é professor emérito da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), presidente do Conselho de Administração da ABTLuS (Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron) e membro do Conselho Editorial da Folha.

faça xixi na rua!

.

que absurdo!

a imbecilidade chegou perto do ápice!

existe uma campanha, para crianças, no canal Cartoon Network, Faça xixi no banho: Salve a Mata Atlântica!

que coisa patética!

vou escapar do tema principal (1),  que é essa alienação politico-ecologica para criancas,  pra falar de duas coisas que tem a ver, (2 e 3) e voltar depois ao Xixi:

(2) Li nessa semana uma entrevista na revista Época que me deixou feliz… quer dizer… deixa qq um triste, mas me deixou feliz por nao ser o unico Joselito a pensar algo assim…

A chamada da entrevista é A Humanidade é bipolar e vc pode le-la aqui

nao sei voce, mas eu tenho flutuações de humor muito grandes… quando estou euforico, cabeça a milhao, feliz e criativo, ja fico com medo… sei que vem uma curta depressão em breve… ja dou um jeito de ir andar com ipod, comer chocolate amargo, abrir um vinho, ler algo legal, enfim… bipolaridade. No caso do mundo, a depressão seria, por exemplo, uma crise economica fulgaz, como essa… ou por exemplo o panico com uma gripe tao letal quanto a gripe normal. E a euforia… bem… vc ja viu como o mercado está aquecido, né? :)

sei que esse sujeito, Wolfgang Sperling, acertou na mosca (pelo menos ta afinado com o que eu penso): A crise mundial e Gripe Suína são frutos de desespero eufórico coletivo.

Nunca antes na história desse planeta houve comunicação instantânea como há hoje. Voce, que teve aulas sobre globalizacao nas aulas de geografia, na escola (como eu), se lembra de tentar responder alguma questão de prova:

“A globalização é um fenomeno complexo. Cite as principais caracteristicas economicas, politicas e sociais.”

o menino decorava algo da aula e escrevia qq baboseira sobre livre comercio, taxas, etc…

mas pouca gente pensou no que pode acontecer com a Euforia Imbecilizante Coletiva… fruto de msn, twitter entre outras coisas que rompem continentes em menos de segundo.

(3) pra nao entrar em detalhes e argumentacoes bestas que eu sempre faço, ja pulo para um texto do Luis Felipe Pondé, na Ilustrada da ultima segunda, onde ele xavasca criticamente o filme 2012, mas fala, principalmente, sobre o que me irrita a cada dia mais, o que eu chamo agora de CPC, a Cegueira Politicamente Correta. ótimo trecho desse artigo:

“(…) “2012” acrescenta a palhaçada do politicamente correto. Isso sim é o fim do mundo.
Leitores me perguntam por que essa palhaçada me irrita tanto. Respondo: porque é coisa de retardado.
Nós não vamos morrer todos afogados em grandes ondas do mar, nem em labaredas vulcânicas, nem com a gripe da porca (H1N1). Nosso espírito sim vai sufocar sob a bota do fascismo retardado do politicamente correto.”

(Luiz Felipe Pondé – Ilustrada de 23/11/09 – “2012 Retardados”)

O ideal seria que em 2012 toda essa onda de extremismo do politicamente correto chegue ao fim!
que os pais voltem a dar espuminha da cerveja pro filho(a), dizendo “esse é macho!” (ou melhor: “essa é macha!”) :)
Fumar em local fechado é questao de Saúde Publica… gasta-se muito dinheiro de cofres publicos com tratamento no SUS. fora isso, tem que ser permitido que se fume tabaco ou maconha em companhia de quem queira.

Mas eu sei o que vai acontecer! Vamos chegar ao limite da idiotice absoluta, daqui uns anos, e vai haver uma revolucao cultural/comportamental chamada Pós-Neo-Naturalismo! Abaixo o politicamente correto!

Nesse dia encherei a cara  e sairei dirigindo para comemorar!

– as crianças voltarao a engatinhar no chao, entrando em contato com “germes” e vao voltar a comer terra e tatu-bola;
– as pessoas vão parar de se atormentarem com o aquecimento global e vao perceber que importante é votar bem e ter uma participacao descente nas decisoes dos seus povos;
-os ecobobos entenderao que matar baleias para comer e/ou como forma de expressao cultural, no japao e nos paises escandinavos é algo completamente compreensivel e natural;
– os Vegetarianos-fundamentalistas vao parar de encher o saco e entender que só são o que são porque seus ascendentes comem bichos

e um monte de outras felicidades vindas de algum espirito hippie vai voltar a fluir… talvez uma sabedoria indigena nos ilumine nesse caminho, vai saber…

MAS O IMPORTANTE É VOLTAR AO XIXI!!!

claro que eu nao ia terminar sem descer a lenha nessa campanha terrorista que ja cria na cabeça das criancas o horror de serem responsáveis pela destruiçao de um planeta (q, como sempre falo, está muito longe de ser destruído! vamos sumir em algumas centenas de anos e o planeta ainda tem bilhoes de anos pela frente… e com vida!)

veja se é razoável:
voce salvará a Mata Atlântica se economizar agua* da descarga de um xixi (12 litros, segundo a campanha) fazendo o dito xixi no banho.

agora imaginem, nobres (e raros) leitores, uma criança de 5-10 anos se concentrando, preocupada com o “meio ambiente”, para fazer xixi no banho. ela demora pelo menos 2 min nessa brincadeira… brincadeira em que esta jorrando a tal da agua e sendo aquecida por 5000W de chuveiro… vamos ver se eu entendi… o idiota do Publicitario que inventou a campanha quer bolar algo para o Cartoon Network ser ecologicamente responsavel, independentemente de fazer algo sensato… e alarmando cada vez mais futuros quase-pensadores…

claro que eles colocaram no FAQ do site: apenas lembre-se de fazer o xixi logo no inicio do banho.

ah, ta bom… até parece.
só falta falarem pra nao tomar banho e nao darem descarga… aih a criançada pula feliz!!

socorro! chamem o Al Gore! pelo menos ele é cara de pau!

fui!

ahhh, to resfriado de novo… deve ser a terceira vez nesse ano… vamos ver se todos se imunizam logo com essa gripe nova para esquecermos esse assunto de panico! :)

e pra fuder cada vez mais o “planeta”, vou mijar na privada, mas com o chuveiro ligado, claro! ;)

:*

* (só pra lembrar que a água nao está acabando… e nunca vai acabar! a vida continua, pq a chuva nunca para – enquanto tiver Sol. O que falta é agua estocada para uma quantidade cada vez maior de pessoas… ahhh, por pessoa entenda: Ser Humano, uma única espécie que domina toda a água…)

Social Currency e COP15

.

vamos ver se continuo escrevendo abobrinhas que se conectam em alguma parte

=)

Social Currency é algo que ouvi nesses dias… uma observação muito legal que um gringo fez sobre relações interpessoais (isso dá tese de sociologia/antropologia, claro…  – nao, nao tem nada a ver com a morte do Levi Strauss hehehe)

Direto ao assunto: Social Currency (moeda social – pessima tradução minha) seria a maneira como as pessoas se conectam, umas as outras, diariamente, de maneira efemera, o que permite viver cercado de outros humanos que vc nunca viu (ou viu).

elevadorredesdifícil? exemplos dados sao as conversas rapidas de elevador… ou falar sobre o jogo passado com alguem na rua, ou algum assunto polemico com o taxista…

aquele tipo de conversa: “nossa, ta quente, hoje, nao? e no nordeste? vc viu como tá a transposicao do São Francisco?”

outro exemplo dado são os Cards que a criaçada costuma jogar e trocar… sao moedas de troca utilizados para conexao entre elas… laços temporários.

eu, como pseudo-biologo, ja imagino, na hora, uma fila de formigas… umas indo e outras voltando…  ja percebeu? elas sempre dao uma paradinha nas que estao vindo em direcao oposta, pra confirmar caminho, a situacao de onde vem, etc… algo como “opa, firmeza? como que tá, truta? viu o jogo do timão ontem?” rs

mas no Brasil nao é conversa de elevador…  é mais de conversa com o cara que ta na padaria, fila de banco…

uma mistura do que o Estadao usava: “falta assunto? assine o Estado”, misturado com essas revistas meio-vagabundas, tipo Veja, que servem pro assinante engolir o que está escrito e se posicionar numa conversa… achando que a opinião sobre determinado assunto que ele falou numa festa é dele e não da revista. iuaheuiehiueha
junta tudo isso com o que vc ouviu um cara falando dentro do onibus e pronto!

cop15

agora, é impressionante como alguns desses assuntos de social currency se tornam opinioes de consenso e vão cavalgando como se fossem uma verdade.

ontem de madrugada, antes de dormir, ouvi na globo news e antes ainda, no radio, de que o Brasil perdeu  chance de se posicionar sobre a meta de redução de CO2, na COP15, a Conferencia do Clima de Copenhague. (alias, os designers da Dinamarca sao fodas, hein? olha que bonito o logo ;)

mas que maluquice! parecia um boato de que o papa tinha uma amante de 15 anos!

abri o jornal hj cedo e tava em todo lugar: “Lula perde a chance de dizer a que veio em matéria ambiental”, “Lula arrisca perder o bonde de Copenhague”, “Governo deixa meta de CO2 para depois”, “nada ficou decidido”, “projeções só vao ser apresentadas na sexta-feira 13″… parecem um bando de papagaios sem notícias!

celso minc dilma

depois tem que vir Carlos Minc, Dilma e Celso Amorim, declarando simultaneamente no mesmo microfone, que o que importa é fazer algo de maneira correta e nao prometer numeros como politicos em campanha…  ESPERA! vc leu o que esta escrito? O Brasil tentando fazer algo de maneira ponderada e agora a mídia crucificando por fazer como sugere sempre, sem ser eleitoreiro… santa ironia, batman.

e sugerem que o Brasil pode ficar com “fama de mau gestor de seus recursos naturais”… ALO, Brasil?!
maus gestores sao os países “desenvolvidos” que enriqueceram e nao conseguiram manter nem 1% de florestas intactas. E vem falar da Mata Atlantica??!!

estufo o peito e digo: sobram 8% da mata atlantica e muito mais de cerrado e mata amazonica. e vc? sobrou o que do seu país rico, seu fdp?
mesmo pq esse numero é controverso.

sobre o mérito: Emissão de CO2

temos que entender que se o Brasil reduzisse pela metade o CO2 que emite, ainda no arranharia em nada a emissão mundial, que se concentra principalmente em EUA, China e Europa.

Ponderando o que eles ja tem de desenvolvimento, nós precisamos emitir muito CO2 para conseguirmos nos igualar em PIB… e  nosso pib (minusculo, mesmo) nao garante saude, educacao, moradia à população brasileira.

emissao em 90

(eu sei que o gráfico é antigo e, por isso mesmo, melhor. É importante avaliar a soma de emissão ao longo dos anos. imagina como foi a soma de emissão de todos os anos da dec de 70 + dec 80+ dec 90 + dec 00 dos EUA versus essa soma do Brasil. ou seja, nao poluimos NADA!)

E é, por tras dessa banal discussao entre ecologistas e desinvolvimentistas (com muitos ruralistas conservadores escondidos no meio), que o Brasil fica querendo ensinar que é possível fazer um Desinvolvimento Sustentável… oras, tem gente sem emprego,  morrendo de fome, crianças morrendo de Crack, RJ em estado de Israel/Palestina, gente que nasce hoje e vai viver até os 60 anos sem saber pensar… e é por isso que precisamos de Desinvolvimento, caralho! O Reino Unido, na soma de poluição desde a Revolução Industrial até hoje, que tem que esfriar a porra do planeta. ou os EUA que emitem mais merda do que todos imaginam.

algum calculo obvio tem que ser feito: qual o IDH do país, dividido pela populacao X a emissão anual desse país.

se alguem fizesse essa conta, vc iria perceber que cada brasileiro polui muitissimo pouco, enquanto um americano deve poluir infinitamente mais (contando toda a cadeia de consumo de um americano)

portanto, se 1% dos americanos morrerem, nao duvido que isso diminua mais a poluicao do que o Brasil se comprometer a reduzir em 5% o desflorestamento.

Que se fodam essas porcentagens vazias! :P

tenho dito!

e espero que algum pensamento crítico sobre ecologia X desenvolvimento vire uma Social Currency.

Questionar sempre!

;)